V Portalegre JazzFest (2007)

Deixo-vos aqui o cartaz da 5ª edição do Portalegre JazzFest, Festival Internacional de Jazz de 2007 que decorrerá em Portalegre entre os dias 21 e 24 de Fevereiro:

Dia 21 de Fevereiro – Sexteto de Mário Barreiros
Grande Auditório | Início 21.30h | Preço único 10 €

A Música e o músico são indissociáveis em Mário Barreiros . Bem antes de enveredar pela actividade de produtor, Mário Barreiros viveu a música como músico, um baterista cujo mérito lhe permitiu integrar formações de relevo no panorama do jazz português, tais como o Quinteto de Maria João; Quarteto de António Pinho Vargas; Sexteto de Jazz de Lisboa e Quarteto de Mário Laginha, entre outras.
Em 1994 formou o seu Sexteto de Mário Barreiros com alguns dos músicos frequentadores da Escola de Jazz do Porto.
Hoje, a paixão pelo jazz volta a ocupar um primeiro plano, e o Sexteto de Mário Barreiros reaparece, agora constituído por Mário Santos (saxofone tenor e clarinete baixo), José Luís Rego (saxofones soprano e alto), José Pedro Coelho (saxofone tenor e flauta), Pedro Guedes (piano), Pedro Barreiros (contrabaixo) e Mário Barreiros (bateria), com um repertório alargado de temas originais da autoria de Mário Barreiros, Pedro Guedes e Mário Santos.

Ficha Técnica
Saxofone Tenor e Clarinete Baixo – Mário Santos
Saxofone Tenor e Flauta – José Pedro Coelho
Saxofones Alto e Soprano – José Luís Rego
Piano – Pedro Guedes
Contrabaixo – Pedro Barreiros
Bateria – Mário Barreiros

Dia 22 de Fevereiro – Trigon Quartet – Ethno Jazz group Trigon – Moldávia
Grande Auditório | Início 21.30h | Preço único 10 €

“Os Trigon têm tido um enorme sucesso no encontrar do estreito caminho entre o folclore e o jazz, e na criação da sua própria música, demonstrando uma imaginação e virtuosidade tremendas. Todos os músicos são solistas, tocando a sua própria música no seu próprio estilo, o que é um feito exigente. Os espectadores, ao tentar acompanhar os músicos caem imediatamente em transe. E durante o resto do concerto estão perdidos num devaneio sonhador. A sonhar sonhos espantosamente belos. É impossível ficar indiferente durante o concerto. As imagens são reais, visíveis, palpáveis. É um Teatro de música, plástico, artístico, com um enorme sentido de humor. Pintura e Música – ousada, forte, dramática. Em que qualquer movimento do Arco, qualquer som é liberdade, prazer, alegria. É música vivida no palco. Música sobre verdades universais. Sobre o mundo e o nosso lugar nesse mundo. Sobre algo em nós, escondido fundo, inconsciente e deveras importante. Uma ilusão? Deveríamos antes dizer virtuosismo, conhecimento profundo, e metamorfose”. Publicado no Jornal Megapolis (2005, Moscovo, Rússia)

Ficha Técnica
Viola – Stefanet
Saxofone, Trompete, Trompete Flugeljorn, Flauta, Kaval, Vozes – Vali Bogheanu
Órgão, Piano, Harmónica – Dorel Burlacu
Bateria, Percussão, Xilofone – Gari Tverdohleb

Dia 23 de Fevereiro – Michel Portal Quartet
Grande Auditório | Início 21.30h | Preço único 10 €

Nascido em 1935, o compositor Michel Portal também toca clarinete, saxofone e o pequeno acordeão ou bandoneon.
Músico difícil de classificar devido á sua enorme oferta em diversas categorias, Michel Portal é uma personagem extraordinária que está tão á vontade com compositores clássicos – Mozart, Brahms, Schumann, Berg – como com músicos contemporâneos, como Boulez, Stockhausen, Berio, Kagel, entre outros, com os quais já tocou.
No vasto campo do jazz europeu, Portal têm tido uma influência profunda. Quer seja a fazer duetos com Bernard Lubat ou Martial Solal; ou convidado a acompanhar grupos (Humair-Jeanneau-Texier; Kuhn-Humair-Jenny Clark); ou a tocar como parceiro temporário com Jack DeJohnette, Dave Liebman, Howard Johnson, John Surman, ou Mino Cinelu, a sua influência têm sido notável.
Os arranjos podem ser estruturados ou espontâneos, mas Portal consegue ser tanto um activista como um reaccionário.
Michel Portal ocupa um lugar particular e singular na cena do jazz europeu. A sua reputação como solista clássico parece ter tornado desnecessária qualquer necessidade de reafirmação das suas capacidades técnicas. Recipiente directo das obras dos grandes compositores contemporâneos, Portal não é impelido pela necessidade de ser reconhecido. Regularmente aclamado pelos profissionais musicais de diversos géneros (três Óscares franceses, os Césares, pelo seu trabalho em bandas sonoras, complementam os mais variados prémios noutros campos), Portal está na posição de apreciar o lugar que ocupa. É isso que lhe possibilita a oportunidade de embarcar com vigor renovado em ainda mais improvisação, o que vêm por sua vez perturbar ainda mais as ideias definidas a seu respeito. Uma improvisação que não exclui a incerteza ou a veemência. Longas viagens musicais, um lirismo estridente, uma invenção caprichosa, sentimentos de fantasia que criam tensão em conjunto com melodias animadas.
Através de uma teimosa procura pelo âmago da alma ou a explosão do ritmo, Portal parece viver cada quilómetro musical como se estivesse a trazer o Tom de volta á ribalta. Parece necessitar de expandir a sua alma musical até aos limites, assim como as regras de contribuição dos outros músicos. Ao fazer isso, consegue alcançar excepcionais pontos altos, não apenas em termos de momentos de paixão mas também quando gritos trágicos se manifestam.
O palco é no entanto o seu lugar favorito. É apenas para as gravações (principalmente Dejárme solo e Turbulence), que ele reserva as suas matizes, os seus arranjos a solo com figuras cuidadosamente posicionadas e de comentários fixos que remetem para a sua agitação fora do palco. O jazz não é para ele um estilo entre muitos. É sim uma forma avassaladora de sentir a música, reflectindo sobre outras experiências musicais, de forma a transmutá-las, e finalmente reinventá-las.

Ficha Técnica
Saxofone Alto, Bandoneon, Clarinete – Michel Portal
Clarinete, Saxofone – Louis Sclavis
Contrabaixo – Bruno Chevillon
Bateria – Daniel Humair

Dia 24 de Fevereiro – Don Byron «Ivey Divey Trio»
Grande Auditório | Início 21.30h | Preço único 10 €

O Ivey-Divey Trio vai buscar o seu nome e maior parte do seu reportório ao álbum homónimo de 2004, considerado pela revista Jazz Times como o Disco do Ano, e elogiado como o melhor álbum de Don Byron em muitos anos, pelo jornal The New York Times; este álbum inclui ainda a música I Want to be Happy, que contém um solo de Byron nomeado para os prémios Grammy.
O trio homenageia de forma calorosa neste álbum Lester Young, lenda do Saxofone, e o seu álbum em conjunto com o pianista Nat “King” Cole e o baterista Buddy Rich, datado de 1946.
Alem de executarem várias músicas dessa gravação clássica do Trio de Lester Young, o Ivey-Divey Trio interpreta também composições de Miles Davis, John Coltrane, e algumas músicas originais de Don Byron.
A escolha de músicos para o seu trio foi tão acertada como sempre, incluindo dois dos mais talentosos e ritmicamente dotados músicos da nova geração, o pianista George Colligan (colaborador de longa data de Byron em diversos projectos) e o baterista Ben Perowsky.
Desde o lançamento do CD, o Ivey-Divey Trio têm actuado com enorme sucesso em diversos festivais de jazz (Monterey, San Francisco, Seattle e Newport), assim como na New York’s Symphony Space, no Village Vanguard, e em diversos outros festivais de jazz.
Além do trio habitual, participaram nestes concertos outros músicos de renome, como os pianistas Jason Moran e Edward Simon, e os bateristas Jack DeJohnette e Billy Hart.
“… Mostrar-nos novas formas de pensar e sentir sobre experiências que nos são familiares é uma das tarefas do verdadeiro artista, e é algo em que Don Byron se excede.”
- The Times, Londres
“O clarinetista Don Byron fez o seu melhor disco em Ivey-Divey, uma sessão de trio poderosa e relaxada.”
- The New York Times
“Enquanto o disco Ivey-Divey continua a preferência de Byron por projectos idiossincráticos, é também um tributo a uma gravação de 1946 do Trio de Lester Young, e de facto resulta num trabalho que é maior que as palavras – é ousado e sublime…”
- Jazz Times

Ficha Técnica
Clarinete, Saxofone Tenor – Don Byron
Piano – George Colligan
Bateria – Ben Perowsky

Jam Sessions

Dia 23 de Fevereiro – Jeffrey Davis Trio
Café Concerto CAEP | Início 00.00h

Vibrafone – Jeffrey Davis
Contrabaixo – Nelson Cascais
Bateria – Alexandre Frazão

Dia 24 de Fevereiro – Jeffrey Davis Trio
Café Concerto CAEP | Início 00.00h

Vibrafone – Jeffrey Davis
Contrabaixo – Nelson Cascais
Bateria – Alexandre Frazão

About these ads

1 Response to “V Portalegre JazzFest (2007)”



  1. 1 Portalegre JazzFest « All That Jazz Trackback em 20 Fevereiro 2007 às 13:14

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s




Translate to English

Agenda

de 5 a 14 de Março - BragaJazz 2009 +info
27 e 28 de Fev | 6 e 7 de Mar - Seia Jazz & Blues 2009 +info
11 de Março - Wayne Shorter Quartet @ Casa da Música
14 de Março - Jeffery Davis @ Casa da Música


Para mais informações sobre os Clubes de Jazz acima mencionados, confiram o post sobre Clubes de Jazz em Portugal

Sugestões ou Críticas

Qualquer dica ou sugestão que tenham, assim como críticas ao blog, por favor enviem-me um E-mail para Enviar Mail

a

Calendário

Janeiro 2007
S T Q Q S S D
« Dez   Fev »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Quem me visita

Estatísticas

  • 201,112 Visitas

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: